Telegram planeja lançar moeda virtual própria

0

A empresa de mensagens criptografadas Telegram planeja lançar sua própria plataforma de Blockchain e criptografia nativa, permitindo pagamentos internos em seu aplicativo de bate-papo e também além dele. De acordo com fontes múltiplas que falaram com o TechCrunch, a “Telegram Open Network” (TON) será uma nova Blockchain de “terceira geração” com capacidades superiores, semelhantes ao Bitcoin e, Ethereum.

O lançamento será financiado com uma enorme oferta inicial de moedas (ICO), com pré-vendas que podem atingir centenas de milhões, tornando-se uma das maiores ICOs até à data. A demanda é impulsionada pelo fato de que, ao invés da ICO que vem de uma nova inicialização, o Telegram já é uma plataforma de mensagens bem estabelecida e utilizada em todo o mundo.

A adoção de uma criptografia caseira poderia dar ao sistema de pagamento do Telegram uma enorme independência de qualquer governo ou banco – algo que o co-fundador e CEO Pavel Durov é conhecido por cobiçar depois que os investidores assumiram sua última empresa, a rede social russa VK.

O potencial para uma criptografia dentro de um aplicativo de mensagens amplamente utilizado é enorme. Com os pagamentos criptografados no Telegram, os usuários podem ignorar as taxas de remessa ao enviar fundos em transações internacionais, mover grandes quantias de dinheiro privadamente, graças à criptografia do aplicativo, realizar pagamentos sem as altíssimas taxas que incorreriam sobre o cartão de crédito, e muito mais. O Telegram já é de fato, o principal canal de comunicação para a comunidade global de criptografia, tornando um lar natural para sua própria moeda e Blockchain.

A idéia da Durov é lançar uma Blockchain inteiramente nova, usando os 180 milhões de usuários de Telegram como combustível para impulsionar a sua adoção.

Tornar-se uma plataforma descentralizada de Blockchains seria para o Telegram matar dois coelhos com uma cajadada só. Além de criar uma economia de criptografia global no aplicativo, isso também o isolaria contra os ataques e acusações de estados-nação como o Irã, onde o Telegram atualmente representa 40% do tráfego de internet, mas foi bloqueado temporariamente entre os protestos nacionais contra o governo.

O Telegram desempenhou um delicado equilíbrio político para tentar manter seus usuários no país, encerrando alguns canais que pediam a queda do governo, mas mantendo outros abertos.

Com a TON, o Telegram pretende desenvolver uma utilidade baseada em criptografia semelhante à WeChat, que se tornou muito mais que um aplicativo de bate-papo e atua como mecanismo de pagamento padrão para muitos na China. Embora os pagamentos possam ser feitos com muita rapidez no WeChat para uma variedade de serviços, o sistema permanece muito centralizado. Uma plataforma descentralizada como a TON poderia oferecer mais segurança e resiliência

Há também o ecossistema de desenvolvedor existente que o Telegram construiu em torno dele, onde bots e serviços são oferecidos por desenvolvedores de terceiros. Novamente, aqui, a TON poderia, em teoria, subjugar tudo o que um desenvolvedor traz para o Telegram.

Alguns na comunidade criptográfica permanecem céticos sobre a TON. “Eu só acho que essa é a maneira de CEO de monetizar o Telegram, basicamente”, diz Jackson Palmer, o fundador da criptomoeda Dogecoin.

Durov e seu irmão Nikolai Durov, um gênio matemático, estavam por trás da criação do VK, o “Facebook da Rússia”, mas foram efetivamente obrigados a vender sua participação na empresa por acionistas oligárquicos profundamente conectados ao líder de governo de Putin. Apesar de Pavel ter conseguido negociar uma saída com uma grande recompensa, ele tem mantido um ressentimento contra investidores externos desde então.

Pavel teria deixado a Rússia com 300 milhões de dólares e 2.000 Bitcoins e, depois de comprar cidadania em St. Kitts e Nevis, divide seu tempo entre Londres, Dubai e, sempre que possível, na Rússia. Essa mudança no Telegram pode significar para ele uma ótima tentativa de fazer uma enorme fortuna, enquanto potencialmente transforma o aplicativo de bate-papo em uma vasta rede de pagamentos protegida contra interferências governamentais.

Fonte: TechCrunch

Sobre o Autor

Estudante de Administração, editor do site devocionais.org, colaborador do portaltelezap.com.br e administrador dos canais @aprendendoingles e @telezap no Telegram.

Deixe Um Comentário